Portal da Família ORIONITA NO BRASIL
isntitucional
Portal da Família ORIONITA NO BRASIL

Biografia Autorizada

CASO DAS BIOGRAFIAS AUTORIZADAS

SER HUMANO ENTRE IDEIAS E POSIÇÕES SOCIAIS

Ninguém pode esquecer o que eles (Caetano, Gil, Chico, Roberto e outros) representaram para uma juventude aprisionada pela ditadura. Muito menos pela importância musical que renovaram a música brasileira. Letras que eram um tapa na sociedade (Cálice - Chico), melodiosas (Detalhes – Roberto Carlos), diferentes (Domingo no Parque – Gil), expressivas (Alegria, Alegria - Caetano), e tantos outras que marcaram uma época.

A profundidade da poesia de Chico, o atrevimento divertido de Gil, a delicadeza na melodia de  Caetano e a simplicidade estonteante de Roberto Carlos iluminaram as mentes de uma geração de jovens na busca da liberdade e dos direitos civis. Ainda hoje lemos seus textos e ouvimos suas melodias com grande satisfação. Mesmo que depois se enveredaram por temas eróticos e interesse comercial, ainda são considerados ícones da rebeldia e da profecia de tempos melhores. A comprovação desta luta está no seu exílio.  Por terem sido obrigados a sair do Brasil em plena era militar, fizeram deles os  nossos ídolos. Hoje eles são, ainda,  mitos de uma geração que não tinha perspectiva diante dos tempos pérfidos de uma ditadura militar. A mesma ditadura militar que cometeu horrores em vários países latino-americanos, que torturam e mataram tantos opositores dos poderes,  transformou o Brasil numa clima de medo, insegurança e principalmente da falta de liberdade.

Com o passar dos anos, nossos ídolos aí permaneciam, como Chico enveredando para a Literatura, Gilberto Gil, virou até Ministro da Cultura, Caetano continuou compondo, com menos ardor, mas dentro de sua linha tradicional. Bem, Roberto Carlos seguiu sua trajetória um pouco mais diferenciada, sem uma definição política direta, não foi perseguido, nem mandado embora, ficou no seu romantismo suave. Canções românticas, músicas bonitas.

Os anos passaram. Hoje são senhores grisalhos, muito ricos, enfim, são setentões. Qual o problema, afinal?  A essência das pessoas não deveria mudar nunca. Nem com rugas, cabelos brancos ou calvície e um pouco mais de reumatismo. Afinal, eles construíram uma imagem pública de profetas da liberdade. Mas... eis que de repente, não mais que de repente, os que gritavam liberdade, comportam-se levianamente num ato para proibir biografias não autorizadas, o que significa que não se pode falar de suas vidas sem suas autorizações.  

Os artistas se expõem, pois precisam de publicidade e depois que não a querem mais, as esnobam. Este glamour faz parte das pessoas que se tornam públicas, nos vários meios sociais, políticos ou artísticos. Sabemos que a Princesa Diana e o Papa João Paulo II foram as pessoas mais fotografadas e que saíram na mídia no século XX. A princesa e o papa ficarão no coração de todos, independente de atos, que poderiam mudar alguma opinião. Eles foram grandes, cada um em sua vida.

O Papa João Paulo II, um grande homem que mudou a história da humanidade. Biografias e filme da princesa foram feitos. Nenhum corresponde a beleza, ao charme  o jeito inesquecível de Diana. Não veríamos filmes de nenhum deles e muito menos biografias, se os autores precisassem de autorizações. O povo que lê, sabe diferenciar o certo do errado, o que é ficção e o que é realidade. E todos nós devemos cuidar de nossas biografias, pois nossas vidas despertam o olhar do próximo, seja na vizinhança, nos meios de comunicação social ou em nossos círculos de convivência.

Querendo proibir as biografias dos homens políticos, artistas e que deixaram legado neste país, nossos autores aqui citados, desde que Roberto Carlos proibiu sua biografia e até tese universitária para ser publicada, nos questionamos o motivo. Dizem que as pessoas não têm ideias, mas posições sociais  e mudam suas ideias quando mudam sua posição.

Voltemos aos nossos artistas. O que podem ter feito na vida que mudariam a opinião dos que sempre gostaram de seu trabalho? Nada. Será que houve algo tão indecente na vida destes autores que eles se servem  do poder e de sua manipulação para esconderem seus rostos? 

Diz-se que a gente não pode negar a si mesmo. Maravilha, mas temos limites. Afinal se negarmos os nossos ideais porque mudamos de lugar social, somos seres inferiores e, como dizia Platão, nosso cérebro habita nosso ventre. Grandes ideais configuram nossa identidade. Na bonança e sobretudo na adversidade.  Sim, senhores Tropicália, a ilusão foi embora, a banda passou, ficaram apenas os que batiam palmas, agora decepcionados. Terminou em vaia o último festival!!!

Pe. Antônio S. Bogaz (orionita) , doutor em filosofia e teologia

Prof. João H. Hansen, doutor em ciências da religião.


"Fazer o bem sempre,

o bem a todos e o

mal nunca e a ninguém"

São Luís Orione

Mais do Orionitas no Brasil

 

Orionita Brasil nas Redes Sociais
 
 .     

Copyright © Orionitas Brasil na Web