Portal da Família ORIONITA NO BRASIL
isntitucional
Portal da Família ORIONITA NO BRASIL

DEIXA A CHUVA CHOVER SERENIDADE NA ADVERSIDADE

DEIXA A CHUVA CHOVER

SERENIDADE  NA ADVERSIDADE

Um princípio  fundamentam em todas as nossas atividades: trabalhamos  seriamente e  “das nuvens para cima, a gente não discute”. Parece simples, mas não é tão óbvio assim, quando tocamos a realidade, pois muitas vezes as intempéries são adversárias de nossos projetos. Imaginamo-nos senhores do tempo e do destino, mas “eis que chega a roda viva e carrega o destino para longe”

- Meu Deus, este tempo está escurecendo. Vai chover.

- Vai não, respondeu.  Refletia mais seu interesse que sua convicção.

- Como chover, já está tudo preparado para a Festa Italiana?  Centenas de fogazzas prontinhas, centenas de polpetones, as barracas mais do que prontinhas.

- Deus queira que não chova nem um pinguinho.

- Mas, e as roças, as plantações, as “guarapirangas”.

- Que chova nas cabeceiras dos reservatórios.

Teve gente que até pensou em fazer umas mandingas do nosso folclore religioso: ovo sobre o toco, raminhos verdes queimados para São Pedro, dança da chuva. Surgiram muitas ideias, muitas tradições e  rituais. Ninguém fez nenhuma delas. A nossa fé transcende certas superstições.

Era o segundo final de semana da Festa Italiana. Toda arrecadação vai para os idosos das obras sociais dos orionitas.  Não se pode ser orionita sem se importar com os pobres e muito menos ser cristão e viver das desgraças dos empobrecidos, como se vê no mundo pseudo-político  e pseudo-religioso.

Fato foi que choveu e choveu muito. À pergunta irônica: quando deu a festa? No sábado deu bastante, no domingo, deu chuva. Não teve a festança, nem abrimos as barracas. Fomos todos para a Missa, manifestar nossa fé, aprofundar nossa unidade e, mais que tudo, agradecer a Deus pela chuva, tão leve e tão boa, que fecunda os jardins, como repetia Francisco de Assis.  Para tranquilizar a todos, bastava olhar no rosto sereno das responsáveis pela cozinha: Sueli do Marcos, Fátima do Jefferson e Cleusa do Tatu. Rezamos, acondicionamos os alimentos e procuramos descobrir os novos caminhos, para superar o pequeno infortúnio.

 Foi interessante perceber o comportamento das pessoas quando o “universo não conspira ao nosso interesse imediato”. Acreditamos ser meio fantasioso nos alienar dizendo que o universo conspira para nosso bem. O universo segue suas leis perenes e nós nos organizamos para viver seus ditames impetuosos. Alguns equipistas ficavam irritados. “Reze, está faltando fé”, ouvia-se falar sussurradamente. Como pode ser assim, se a festa é para servir os mais pobres? Foi o resmungo de outros mais agitados.

Aprendemos a lidar com a adversidade e crescemos na humildade e na habilidade de contornar situações. Na enfermidade, aprendemos a lutar, na mentira aprendemos a discernir, na bajulação, descobrimos o valor da coerência e da fidelidade. Enfim, das incongruências, descobrimos o valor da unidade e da labuta dos parceiros de caminhada.

Tudo isso, sem autoenganos e nem mentindo para si mesmo e para os interlocutores. Com certeza, nossos serviços públicos muitas vezes tão deploráveis, porque os seus responsáveis, ao invés de resolver a ineficiência, gastam litros de saliva para convencer o público que tudo está bem. E na hora de pagar a conta do supermercado, nota-se que eram puras falácias. E não cremos mais nas suas palavras, que soam como tão inverossímeis como as promessas dos horários políticos.  

Choveu naquele domingo, choveu muito e molhou nossos sapatos, que nos custaram lenços de gripe. Nada diminuiu, porém, nossas convicções e nosso ardor. Estávamos prontos a reconstituir a festa, como as escolas de samba refazem suas fantasias depois da chuva . Com Deus, sobretudo é muito mais seguro e promissor.  A festa seguiu, descobrimos novos caminhos e esperamos para a próxima festa. Se Deus fizer chover, dançaremos na chuva. Quando vires contradição entre o sol cintilante e o teu mau humor, entre teu espírito alegre e um dia nublado; bendize o desencontro. É sinal divino que o universo nem começa e nem acaba em ti.

 

Pe. Antônio S. Bogaz (orionita) , doutor em filosofia e teologia

Prof. João H. Hansen, doutor em ciências da religião

 

Envie seu comentário
Nome
Email (não será exibido no site)
Site (http://)
Mensagem

"Fazer o bem sempre,

o bem a todos e o

mal nunca e a ninguém"

São Luís Orione

Mais do Orionitas no Brasil

 

Orionita Brasil nas Redes Sociais
 
 .     

Copyright © Orionitas Brasil na Web