Portal da Família ORIONITA NO BRASIL
isntitucional
Portal da Família ORIONITA NO BRASIL

SINFONIA DE PARDAIS

A FESTA DA AMIZADE

foto cronica 12 11

 

Todos os voluntários que estão participando da Festa da Amizade estavam reunidos para rezar antes da festa iniciar. Foi quando o Expedito Arena, esposo da Fátima, disse para todos:

– Diante de tanta alegria manifestada por todos que estavam se divertindo na festa, e de todos os voluntários felizes em participar, parecia que estávamos ouvindo uma sinfonia de pardais, como se eles estivessem revoando sobre todos nós.

Com esta frase, não houve quem não pensasse que ele exprimia não somente a sua emoção, sua participação e alegria, mas o pensamento de todos os presentes. Imediatamente vem à nossa memória, a composição de Herivelto Martins “Ave Maria no Morro”:

Tem alvorada, Tem passarada, amanhecer
Sinfonia de pardais. Anunciando o anoitecer.
E o morro inteiro, No fim do dia
Reza uma prece, Ave Maria.

Era essa a sensação maravilhosa que sentíamos e que fora  tão bem expressada quando disse Sinfonia de Pardais. Foi fácil lembrar toda esta euforia e perceber como era verdadeira. Afinal, temos cinco casais (Silvia-Lincoln Magalhães e  Silvia-Marcos Cecato, Fátima–Expedito Arena, Siomara–Carlos Moretto e Eliana-João Gilberto) que tiveram a ideia desta Festa da Amizade. A Festa é um grande evento, para mostrarmos as comidas do Brasil, na sua incrível e apetitosa variedade. Temos as barracas de São Paulo, Rio de Janeiro, Minas Gerais, Rio Grande do Sul, Bahia, Região do Nordeste e doces brasileiros.

Sr. Lincoln, certamente o mais animado de todos, passa esta energia e alegria para todos. Como os demais, ele corre atrás de muitas e muitas coisas para garantir  à nossa festa um sucesso muito grande.

Estes casais e  mais duzentos voluntários, aproximadamente, são os nossos pardais que voam pelo céu, como uma sinfonia que se torna cada vez mais bonita.

– Claro que participamos com alegria – disse uma mãe que vem de longe fazer acarajé –  pois o motivo de toda festa é trabalhar para aqueles que precisam de nós.

– Nosso objetivo é sempre evangelizar, este é nosso maior ideal.

– Como “filhos de Dom Orione, temos que pensar sempre na caridade. Também.

Mais uma vez, a sinfonia dos pardais, começa na alvorada do trabalho e termina não ao anoitecer, mas altas horas da madrugada, quando após a festa e tudo arrumado, cada um dos voluntários volta para sua casa.

Cada um deve-se sentir um pardal e cantar, pois a maior felicidade é justamente esta, ser voluntário para ajudar todos os que necessitam de nosso esforço.

O quinteto, que é o maestro desta sinfonia de pardais, entoada por tanta gente, torna o ambiente emocionante. Em vestes típicas, dando uma graça especial para as várias barracas, tornam ainda mais agradável todos os quitutes. Se é bom comer pão de queijo, imagina servido por gente alegre em vestes mineiras. Se é bom comer lanches de mortadela tipo Mercadão, imagina servida por caipiras paulistas. Mais ainda, se os galetos gaúchos são bons, pode-se imaginar  acompanhados pelo sorriso de gente piuchada. Nem se fala, então dos trajes típicos dos nordestinos e baianos.  Gente em trajes cariocas servem as bebidas e em cores do girassol as docerias de todo Brasil.

– Parece que o mundo cabe dentro dos pratos da gastronomia brasileira.

No final da música tem o que achamos de mais belo na composição do autor, onde diz:

E o morro inteiro,no fim do dia
Reza uma prece, Ave Maria.

E todos repetem na oração do Angelus, com fé e gratidão:

 – Nos sentimos imensamente felizes  de rezar para agradecer tanta luta.

– Como  não temos a possibilidade de ajudar financeiramente como gostaríamos, nos tornamos, então, voluntários.

–  Nossa melhor oferta é nosso tempo, nosso trabalho e nossa emoção.

– Sim, doamos nosso  grande  trabalho, com humildade e fervor.

Fazemos parte da orquestra que vai apresentar uma sinfonia alegre, cheia de passarinhos cantando, voando, zigzazeando pelo céu para alegrar Nosso Senhor.

E se chover? Pois não é que choveu e choveu aos cântaros. Não importa, estamos prevenidos. O povo veio e festejou, a música cantou, o fogo preparou as comilanças e não faltou animação. Nem nas cozinhas, nem nos galpões.

No final da jornada,  rezamos. Sem dúvida alguma, uma prece para Maria.  A festa continua e segue nossa revoada aos céus na terra, como os pássaros revoam no céu. Vamos para a festa da amizade? São momentos de puro encanto. Como a sinfonia de pardais.

 

Pe. Antônio S. Bogaz (orionita), doutor em Filosofia, Liturgia e Sacramentos e

Teologia Sistemática - Cristologia

Prof. João H. Hansen, doutor em Literatura Portuguesa e

Ciência da Religião e Pós-doutor em antropologia


"Fazer o bem sempre,

o bem a todos e o

mal nunca e a ninguém"

São Luís Orione

Mais do Orionitas no Brasil

 

Orionita Brasil nas Redes Sociais
 
 .     

Copyright © Orionitas Brasil na Web